Dicas para um 2018 bem planejado – e próspero

O ano de 2018 completa três semanas, e a sua empresa já deve estar a todo vapor, não é mesmo? Férias coletivas encerradas, equipe focada, negócios avançando. Mas ainda há tempo para alinhar detalhes importantes do seu planejamento estratégico para o novo período e verificar se é preciso olhar para trás e reavaliar o que ainda é possível melhorar, com o objetivo de garantir um ano próspero dentro da companhia.

Um dos aspectos mais importantes a ser avaliado é o aprofundamento nas mudanças que vêm ocorrendo nos últimos tempos, seja o comportamento do consumidor ou as novas demandas do mercado. Isso porque hoje a informação está tão difundida e as marcas estão tão acessíveis para o consumidor que ser apenas mais uma empresa no meio de tantas outras não levará o seu negócio a lugar nenhum. Portanto, que tal, neste início de ano, dar uma atenção especial às transformações que podem gerar benefícios para a sua marca agora e no futuro?

 

O que o seu público realmente deseja?

Na década de 90, a rede de postos Ipiranga lançou uma campanha cujo slogan era “Apaixonados por carros como todo brasileiro”, uma ótima sacada para a época, considerando o valor aspiracional do carro naqueles tempos. Mas será que hoje ainda seria possível usar essa assinatura de campanha? Ou lhe parece muito mais inteligente o posicionamento atual do Ipiranga, que se apresenta como um local onde o consumidor encontra de tudo a qualquer hora? Pois esse é uma exemplo de como um negócio deixou de ser “vender combustível” para “vender conveniência”.

O clássico exemplo considera uma mudança na mentalidade e nos hábitos do brasileiro. Hoje, o que mais as pessoas querem é tempo. E, para atender a esse consumidor ávido por facilidade de acesso ao que procura, nada mais coerente do que entregar a ele o que procura, mesmo que isso signifique mexer no planejamento que você já vem fazendo em relação ao seu negócio. Dá trabalho? Com certeza! Mas, neste caso, mais vale deixar o orgulho de lado e buscar a reinvenção do que perder boa parte dos seus consumidores ao se apegar a um modelo antigo de entrega que já não funciona mais.

 

Experiência > produto

Se atualmente o consumidor busca mais do que comprar, e sim viver uma experiência junto às marcas, é importante que se identifique com a razão de existir desse negócio. Voltando ao exemplo dos carros, a montadora Honda ilustra bem esse conceito, apresentando sua essência como “mobilidade” e não apenas “vender automóveis”.

Outro meio de identificação é a cultura da empresa, incluindo a forma como trata seus funcionários, como se aproxima de seus consumidores e como lida com seus produtos (mudar a formulação de algo que é um sucesso junto aos clientes já poderia ser chamado de um péssimo tratamento).

Por fim, destacamos como ponto de atenção a forma como os consumidores se agrupam atualmente. Classe social, gênero ou idade não são mais as únicas formas de segmentar essas pessoas. Muito pelo contrário. Os padrões de consumo já não se pautam mais por características assim, mas por mentalidades, desejos e hábitos semelhantes.

 

E então, vale a pena se reavaliar?

Certamente, a resposta é “sim” – caso perceba que algo não está de acordo com o que você poderia oferecer ao seu público, aos seus funcionários e ao seu mercado, claro. Então, antes que 2018 acelere ainda mais, faça essa última revisão. Identifique pontos de melhoria e oportunidades de mudança para melhor. Antes tarde do que nunca para desejar a si mesmo e à sua empresa um feliz Ano-Novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

56 − = 53